top of page

Bem-vindo ao blog da Plataforma Engo

Aqui você vai encontrar os mais diversos posts voltados para o ramo da construção civil!

Novidades e inovações na construção civil

Dicas de técnicas de trabalho

Materiais de estudo para concursos

e muito mais...

Design sem nome (7).png
Design sem nome (8).png

Sistemas de águas pluviais: O que estudar para concursos de engenharia civil


+ Faça o curso de REVIT PARA ARQUITETOS 7.1 por $197. Clique aqui

+ Faça o curso de REVIT PARA ENGENHEIROS 5.0 por $197. Clique aqui


Os sistemas de águas pluviais vai desde a coleta e captação até a rede coletora. Também é uma assunto que é cobrado mais a teoria em concursos de engenharia civil, mas gostaria de te mostrar um pouco das fórmulas que devem ser conhecidas em caso de pedir um cálculo de vazão de projeto.


O cálculo da área de contribuição deve considerar os incrementos devido à inclinação da cobertura e as paredes que interceptam as águas da chuva. O que você tem que ficar atento é com o tipo de superfície e as águas do telhado (a questão irá te fornecer os dados) e o resto é usar a fórmula indicada.


Se você não tem posse da área a considerar, deve-se verificar qual fórmula é adequada


  1. DETERMINAR A ÁREA ( caso o exercício não forneça)


2. Determinar a intensidade pluviométrica


A intensidade pluviométrica é quantidade de chuva por unidade de tempo. Essa quantidade é o volume de chuva que poderia ser dado em litros, m³, ou outra unidade de volume qualquer, mas não, este volume é dado em mm. Para a determinação da intensidade pluviométrica (I) tomamos como base dados pluviométricos locais e a seguinte fórmula


Onde:

i= intensidade de precipitação (mm/h);

T= período de retorno (anos);

t= duração da chuva (minutos);

K, to, m e n= parâmetros de ajuste.



Apesar de ser muito raro cobrar a fórmula acima, estes conceitos abaixo são frequentemente cobrados, ok... Devemos fixar a duração da precipitação (t) em 5 minutos e o período de retorno (T), que deve ser escolhido segundo as características da área a ser drenada, conforme abaixo:


Considere o período de retorno de:

T=1 ano para áreas pavimentas( tolerância de empossamento)

T= 5anos para coberturas e terraços

T=25 anos para coberturas e áreas onde o empossamento não são permitidos



* para construções de até 100 m2 de área de projeção horizontal, salvo casos especiais, pode-se adotar I= 150MM/H


Se você não está estudando para concursos específicos da área de hidrologia, não se preocupe com a fórmula supracitada, porque esse dado é sempre dado na questão.



3. Determinar a vazão de projeto


Finalmente vamos determinar a vazão de projeto pode ser calculada pela seguinte expressão:


Q=I.A​/ 60


Onde:

  • Q: Vazão de projeto (L/min);

  • I: intensidade pluviométrica (mm/h).

  • A: área de contribuição (m²).

*Para o cálculo das superfícies de captação são computados, além das áreas horizontais, as superfícies de paredes ou muros próximos que podem contribuir para a vazão.

*Necessariamente deve ser considerado algum ângulo de incidência da chuva causada pela influência do vento para efeito do cálculo da quantidade de água a ser drenada para um telhado inclinado

 


Gostaria de chamar a sua atenção para o que é mais cobrado neste conteúdo: CONDUTORES VERTICAIS E HORIZONTAIS


4. CONDUTORES VERTICAIS

  • Condutores verticais, sempre que possível, devem ser dispostos em uma só prumada

  • se tiver necessidade de desvios devem ser usadas curvas de 90° de raio longo ou 45° e devem ser previstos peças de inspeção

  • diâmetro mínimo interno 70 mm para a seção circular


5. CONDUTORES HORIZONTAIS


são similares às calhas, a única de diferença é que esses dispositivos são responsáveis por receber águas de condutores verticais


  • pode ter sessão aberta ou fechada

  • curvas de raio longo e inspeções ou caixas de areia

  • declividade uniforme mínima de 0,5% em todo o trecho

  • dimensionamento dos condutores horizontais de seção circular: altura da lâmina deve ser considerada igual a 2/3 do diâmetro interno

  • precipitação é fixada em 5 minutos

  • devem ser previstos inspeções quando aparentes e caixas de areia quando enterrados nos conexões, nas mudanças de direção ou declividade e distancias máximas de 20 m

* Nas tubulações horizontais das instalações prediais devem ser previstas caixas de areia sempre que houver conexões com outra tubulação, mudança de declividade, mudança de direção e ainda nos percursos retilíneos, a cada trecho de 20 m. A Caixa para Águas Pluviais completa o sistema de drenagem pluvial residencial. Através dela é possível fazer a limpeza de folhas e outros objetos que entram na tubulação através das calhas de chuva.


6. CALHAS


As calhas e rufos são peças importantes na construção do telhado. São feitas de aço ou PVC, protegem a parede externa da casa e impedem a infiltração de água pelas laterais, facilitam o escoamento da água da chuva e podem ser usadas em projetos para captação de água. Para sua instalação são usados parafusos, uma parafusadeira e/ou furadeira, abraçadeiras (geralmente tipo U) e também produtos para vedação e impermeabilização da calha.


  • as calhas beiral e platibanda devem, sempre que possível, ser fixadas centralmente sob a extremidade da cobertura e o mais próximo desta

  • a inclinação das calhas de beiral e platibanda devem ser uniformes com valor mínimo de 0,5%

  • as calhas de água furtada tem inclinação de acordo com o projeto de cobertura

  • quando a saída não estiver colocada em uma das extremidades, a vazão de projeto para os dimensionamento das calhas de beiral ou platibanda deve ser aquela correspondente a maior das áreas de contribuição

  • quando não se pode tolerar nenhum transbordamento ao longo da da calha, extravasores podem ser previstos como medida adicional de segurança em calhas de beiral ou platibanda quando a saída estiver a menos de 4 m de uma distância de uma mudança de direção, a vazão de projeto deve ser multiplicada.


bottom of page