top of page

Bem-vindo ao blog da Plataforma Engo

Aqui você vai encontrar os mais diversos posts voltados para o ramo da construção civil!

Novidades e inovações na construção civil

Dicas de técnicas de trabalho

Materiais de estudo para concursos

e muito mais...

Design sem nome (7).png
Design sem nome (8).png

Concreto protendido



O concreto protendido é um refinamento do concreto armado, onde a ideia básica é aplicar tensões prévias de compressão nas regiões da peça que será tracionada. Deste modo, as tensões de tração são reduzidas pelas tensões de compressão pré-existentes ou pré-aplicadas. Com a protensão, contorna-se a característica negativa de baixa resistência do concreto à tração. Pode-se dizer ainda que, os elementos de concreto protendido são aqueles nos quais parte das armaduras é previamente alongada por equipamentos especiais de protensão, com a finalidade de, em condições de serviço, impedir ou limitar a fissuração e os deslocamentos da estrutura, bem como propiciar o melhor aproveitamento de aços de alta resistência no estado-limite último (ELU)


Os aços utilizados no concreto protendido são mais resistentes que os utilizados no concreto armado. Possuem teor de carbono maior e são utilizados na forma de cordoalhas, um conjunto de fios enrolados, classificadas de acordo com o nº de fios e resistência à tração.


* 1 kgf/mm² ≈ 10 MPa


  • Relaxação baixa: é a perda gradual da resistência mecânica quando um material está em um estado de deformação constante. Para concreto protendido é importante a relaxação do aço ser baixa.


Tipos de protensão


  • Concreto com Armadura Ativa Pré-tracionada (protensão com aderência inicial)

Concreto protendido em que o pré-alongamento da armadura ativa é feito utilizando-se apoios independentes do elemento estrutural, antes do lançamento do concreto, sendo a ligação da armadura de protensão com os referidos apoios desfeita após o endurecimento do concreto; a ancoragem no concreto realiza-se só por aderência.



  • Concreto com Armadura Ativa Pós-Tracionada (protensão com aderência posterior)

Concreto protendido em que o pré-alongamento da armadura ativa é realizado após o endurecimento do concreto, sendo utilizadas, como apoios, partes do próprio elemento estrutural, criando posteriormente aderência com o concreto de modo permanente, através da injeção das bainhas.



  • Concreto com Armadura Ativa Pós-Tracionada sem Aderência (protensão sem aderência)

Concreto protendido em que o pré-alongamento da armadura ativa é realizado após o endurecimento do concreto, sendo utilizados, como apoios, partes do próprio elemento estrutural, mas não sendo criada aderência com o concreto, ficando a armadura ligada ao concreto apenas em pontos localizados.


As bainhas possibilitam a movimentação das cordoalhas durante a operação de protensão e receber a nata de cimento na operação de injeção. As bainhas são usadas em vigas que tem seção transversal circular, em lajes, bainhas chatas


*As vigas de seção retangular e da seção T, duplo T ou celular concretadas no local, não devem ter largura de alma menor que 20 cm


As cordoalhas são compostas por 7 fios de diâmetro 12,7 mm ou 15,2 mm (são 6 fios de mesmo diâmetro encordoadas em torno de um fio central de diâmetro um pouco maior)

Na execução do controle tecnológico na injeção da nata de cimento, os resultados são ditos satisfatórios: se o índice de fluidez dos ensaios de campo e laboratório não diferirem entre si de mais ou menos 3 (se estiverem compreendidos o entre 8s e 18s.)

  • realizado à proteção, o aço deve ser cortado e efetuada a vedação de todas as aberturas das peças (componentes da ancoragem), do seu contato com a estrutura e com aço da proteção e no caso de cordoalhas, a extremidade das mesmas, de forma a não haver vazamentos do caldo durante a alteração de injeção

  • a mistura da calda deve ser feita introduzindo a água no reservatório do misturador e com ele movimento, adicionar o cimento em pequenas quantidades o mais rápido possível.

  • A injeção deve ser efetuada o mais rapidamente possível após a protensão dos cabos. O prazo máximo recomendável entre a colocação em tensão e a injeção é de 15 dias.

  • Em peças protendidas especiais, sujeitas à agressividade do meio ambiente ou a correntes elétricas de fuga, fenômenos que aceleram o processo de corrosão, devem ser tomados cuidados adicionais para a proteção do aço.

bottom of page